Conservação e restauração da propriedade cultural

Content

Definição

Revisão e conservação da coluna da Santíssima Trindade em Olomouc (República Tcheca) em 2006.

A conservação da propriedade cultural envolve proteção e restauração usando "quaisquer métodos que sejam eficazes para manter essa propriedade o mais próximo possível de sua condição original pelo maior tempo possível". A conservação do patrimônio cultural é frequentemente associada a coleções e museus de arte e envolve cuidados e gerenciamento de coleções por meio de rastreamento, exame, documentação, exposição, armazenamento, conservação preventiva e restauração.

O escopo aumentou da conservação da arte, envolvendo proteção e cuidados de obras de arte e arquitetura, para a conservação do patrimônio cultural, incluindo também proteção e cuidados de um amplo conjunto de outras obras culturais e históricas. A conservação do patrimônio cultural pode ser descrita como um tipo de mordomia ética.

Pode ser amplamente dividido em:

Conservation and restoration of movable cultural propertyConservation and restoration of immovable cultural property

Conservação da propriedade cultural aplica diretrizes éticas simples:

Minimal intervention;Appropriate materials and reversible methods;Full documentation of all work undertaken.

Freqüentemente, existem compromissos entre a aparência preservada, a manutenção do projeto original e as propriedades do material e a capacidade de reverter as mudanças. A reversibilidade agora é enfatizada, a fim de reduzir problemas com tratamento, investigação e uso futuros.

Para que os conservadores decidam uma estratégia de conservação apropriada e aplique seus conhecimentos profissionais de acordo, eles devem levar em consideração as opiniões das partes interessadas, os valores, a intenção do artista, o significado da obra e as necessidades físicas do material.

Cesare Brandi, em sua teoria da restauração, descreve a restauração como "o momento metodológico em que a obra de arte é apreciada em sua forma material e em sua dualidade histórica e estética, com o objetivo de transmiti -la ao futuro".

História e ciência

Artigo principal: Ciência da Conservação (Propriedade Cultural)

Datas importantes

Artigo principal: Lista de datas na história da conservação e restauração

Alguns consideram a tradição de conservação do patrimônio cultural na Europa ter começado em 1565 com a restauração dos afrescos da capela sistina, mas exemplos mais antigos incluem o trabalho de Cassiodorus.

Breve história

Um vídeo inicial mostrando algumas atividades em um laboratório de conservação no Rijksmuseum
Uma partição temporária com janelas ao longo da área de trabalho de restauração no claustro da Igreja de St. Trophime, Arles

O cuidado do patrimônio cultural tem uma longa história, que visava principalmente consertar e consertar objetos para seu uso contínuo e prazer estético. Até o início do século XX, os artistas eram normalmente os chamados a reparar obras de arte danificadas. Durante o século XIX, no entanto, os campos da ciência e da arte tornaram -se cada vez mais entrelaçados quando cientistas como Michael Faraday começaram a estudar os efeitos prejudiciais do meio ambiente em obras de arte. Louis Pasteur também realizou análises científicas sobre tinta. No entanto, talvez a primeira tentativa organizada de aplicar uma estrutura teórica à conservação do patrimônio cultural tenha sido com a fundação no Reino Unido da Sociedade para a Proteção dos Edifícios Antigos em 1877. A sociedade foi fundada por William Morris e Philip Webb, ambos dos quais foram profundamente influenciados pelos escritos de John Ruskin. Durante o mesmo período, um movimento francês com objetivos semelhantes estava sendo desenvolvido sob a direção de Eugène Viollet-Le-Duc, arquiteto e teórico, famoso por suas restaurações de edifícios medievais.

Desde 1998, a Universidade de Harvard envolve algumas das estátuas valiosas em seu campus, como essa "estela chinesa", com coberturas à prova d'água todo inverno, a fim de protegê -los da erosão causada pela chuva ácida.

A conservação do patrimônio cultural como um campo de estudo distinto desenvolvido inicialmente na Alemanha, onde em 1888 Friedrich Rathgen se tornou o primeiro químico a ser empregado por um museu, o Koniglichen Museen, Berlim (Museus Reais de Berlim). Ele não apenas desenvolveu uma abordagem científica para o cuidado dos objetos nas coleções, mas disseminou essa abordagem publicando um manual de conservação em 1898. O desenvolvimento inicial da conservação do patrimônio cultural em qualquer área do mundo está geralmente ligado à criação de Posições para químicos em museus. Na arqueologia britânica, a pesquisa -chave e a experimentação técnica em conservação foram realizadas por mulheres como Ione Gedye, tanto no campo quanto nas coleções arqueológicas, particularmente as do Instituto de Arqueologia de Londres.

No Reino Unido, a pesquisa pioneira em materiais de pintura e conservação, cerâmica e conservação de pedras foi conduzida por Arthur Pillans Laurie, químico acadêmico e diretor da Universidade Heriot-Watt a partir de 1900. Os interesses de Laurie foram promovidos por William Holman Hunt. Em 1924, o químico, o Dr. Harold Plenderleith, começou a trabalhar no Museu Britânico com o Dr. Alexander Scott no Laboratório de Pesquisa Recentemente Criado, embora ele tenha sido realmente empregado pelo Departamento de Pesquisa Científica e Industrial nos primeiros anos. Pode -se dizer que a nomeação de Plenderleith deu à luz a profissão de conservação no Reino Unido, embora houvesse artesãos em muitos museus e no mundo da arte comercial por gerações. Este departamento foi criado pelo museu para abordar a condição de deterioração dos objetos da coleção, danos que foram resultado de serem armazenados nos túneis subterrâneos de Londres durante a Primeira Guerra Mundial. A criação deste departamento moveu o foco para o desenvolvimento da teoria e prática da conservação da Alemanha para a Grã -Bretanha e fez do último uma força principal neste campo incipiente. Em 1956, a Plenderleith escreveu um manual significativo chamado conservação de antiguidades e obras de arte, que suplantou o tomo anterior de Rathgen e estabeleceu novos padrões para o desenvolvimento de arte e ciência da conservação.

Nos Estados Unidos, o desenvolvimento da conservação do patrimônio cultural pode ser atribuído ao Fogg Art Museum, e Edward Waldo Forbes, seu diretor de 1909 a 1944. Ele incentivou a investigação técnica e foi presidente do Comitê Consultivo para o Primeiro Jornal Técnico , Estudos técnicos no campo das belas artes, publicadas pelo Fogg de 1932 a 1942. É importante que ele também trouxe para os químicos da equipe do museu. Rutherford John Gettens foi o primeiro dos EUA a ser permanentemente empregado por um museu de arte. Ele trabalhou com George L. Stout, o fundador e primeiro editor de estudos técnicos. Materiais de pintura de co-autoria da Gettens and Stout: Uma curta enciclopédia em 1942, reimpressa em 1966. Este compêndio ainda é citado regularmente. Apenas algumas datas e descrições no livro de Gettens e Stout agora estão desatualizadas.

George T. Oliver, de Oliver Brothers Artoration e Art Conservation-Boston (Est. 1850 na cidade de Nova York) inventaram a mesa quente a vácuo para repensar pinturas na década de 1920; Ele apresentou uma patente para a tabela em 1937. A tabela de protótipo de Taylor, que ele projetou e construiu, ainda está em operação. Acredita -se que Oliver Brothers seja a primeira e a mais antiga empresa de restauração de arte em operação contínua nos Estados Unidos.

O foco do desenvolvimento da conservação acelerou na Grã -Bretanha e na América, e foi na Grã -Bretanha que as primeiras organizações internacionais de conservação se desenvolveram. O Instituto Internacional de Conservação de Obras Históricas e Artísticas (CII) foi incorporado sob a lei britânica em 1950 como "uma organização permanente para coordenar e melhorar o conhecimento, os métodos e os padrões de trabalho necessários para proteger e preservar materiais preciosos de todos os tipos. " O rápido crescimento de organizações profissionais de conservação, publicações, periódicos, boletins, tanto internacionalmente quanto em localidades, liderou o desenvolvimento da profissão de conservação, tanto prática quanto teoricamente. Historiadores de arte e teóricos como Cesare Brandi também tiveram um papel significativo no desenvolvimento da teoria da ciência da conservação. Nos últimos anos, as preocupações éticas estão na vanguarda dos desenvolvimentos em conservação. O mais significativamente tem sido a idéia de conservação preventiva. Esse conceito é baseado em parte no trabalho pioneiro de Garry Thomson CBE, e seu ambiente de Livros Museum, publicado pela primeira vez em 1978. Thomson estava associado à Galeria Nacional em Londres; Foi aqui que ele estabeleceu um conjunto de diretrizes ou controles ambientais para as melhores condições em que os objetos poderiam ser armazenados e exibidos no ambiente do museu. Embora suas diretrizes exatas não sejam mais seguidas rigidamente, elas inspiraram esse campo de conservação.

Laboratórios de Conservação

O Centro de Conservação de Lunder. A equipe de conservação do Museu de Arte Smithsonian American e da Galeria Nacional de Retratos são visíveis ao público por meio de paredes de vidro do chão ao teto que permitem aos visitantes ver em primeira mão todas as técnicas que os conservadores usam para examinar, tratar e preservar obras de arte em uma conservação em funcionamento Laboratório.

Os conservadores usam rotineiramente análises químicas e científicas para o exame e tratamento de obras culturais. O Modern Conservation Laboratory usa equipamentos como microscópios, espectrômetros e vários instrumentos de regime de raios-X para entender melhor os objetos e seus componentes. Os dados assim coletados ajudam a decidir os tratamentos de conservação a serem fornecidos ao objeto.

Ética

O trabalho do conservador é guiado por padrões éticos. Estes assumem a forma de ética aplicada. Os padrões éticos foram estabelecidos em todo o mundo, e as diretrizes éticas nacionais e internacionais foram escritas. Um exemplo é:

American Institute for Conservation Code of Ethics and Guidelines for Practice

A Conservação Online fornece recursos sobre questões éticas em conservação, incluindo exemplos de códigos de ética e diretrizes para conduta profissional em campos de conservação e aliados; e cartas e tratados relativos a questões éticas que envolvem a preservação da propriedade cultural.

Além de padrões de prática, os conservadores lidam com preocupações éticas mais amplas, como os debates sobre se vale a pena preservar toda a arte.

Acompanhando o cenário contemporâneo internacional, surgiram preocupações recentes com a sustentabilidade na conservação. O entendimento comum de que "o cuidado de um artefato não deve ter às custas indevidas do meio ambiente" é geralmente bem aceito na comunidade e já está contemplado em diretrizes de diversas instituições relacionadas ao campo.

Castle Gate de Krnov antes (2001) e depois (2009) Restauração
Quarter histórico preservado no distrito central de Beirute

Prática

Principais artigos: conservação e restauração de propriedades culturais móveis e conservação e restauração de propriedades culturais imóveis

Conservação preventiva

Principais artigos: Gerenciamento de Riscos (Propriedade Cultural), Manutenção de Coleções e Preservação (Biblioteca e Arquivo)

Muitas obras culturais são sensíveis a condições ambientais, como temperatura, umidade e exposição a luz visível e radiação ultravioleta. Esses trabalhos devem ser protegidos em ambientes controlados, onde essas variáveis ​​são mantidas dentro de uma faixa de níveis de limitação de danos. Por exemplo, as pinturas em aquarela geralmente requerem blindagem da luz solar para evitar o desbotamento de pigmentos.

As coleções de cuidados são um elemento importante da política de museus. É uma responsabilidade essencial dos membros da profissão de museu criar e manter um ambiente de proteção para as coleções sob seus cuidados, na loja, em exibição ou em trânsito. Um museu deve monitorar cuidadosamente a condição das coleções para determinar quando um artefato requer trabalho de conservação e os serviços de um conservador qualificado.

Trabalho de conservação preventiva em uma parede de pedra com pinturas pré -históricas no Parque Nacional Serra da Capivara. O trabalho consiste em preencher as rachaduras para impedir a fragmentação da parede.

Conservação e restauração de intervenção

Conservação de móveis-re-coloca o elemento solto do peito de casamento de nozes sólidos (provavelmente Itália, século XIX)
Conservação antiga-re-pintura do quadro por funcionário do museu

Um programa de ensino de conservação de intervenção foi estabelecido no Reino Unido no Instituto de Arqueologia da Ione Gedye, que ainda hoje está ensinando conservadores de intervenção.

Um objetivo principal de um conservador cultural é reduzir a taxa de deterioração de um objeto. Metodologias não interventivas e de intervenção podem ser empregadas em busca desse objetivo. A conservação de intervenção refere -se a qualquer interação direta entre o conservador e o tecido material do objeto. Ações de intervenção são realizadas por várias razões, incluindo escolhas estéticas, necessidades de estabilização de integridade estrutural ou requisitos culturais para a continuidade intangível. Exemplos de tratamentos de intervalo incluem a remoção de verniz descolorido de uma pintura, a aplicação de cera a uma escultura e a lavagem e rebote de um livro. Os padrões éticos no campo exigem que o conservador justifique totalmente as ações de intervalo e realize documentação antes, durante e após o tratamento.

Um dos princípios orientadores de conservação do patrimônio cultural tem sido tradicionalmente a idéia de reversibilidade, que todas as intervenções com o objeto devem ser totalmente reversíveis e que o objeto deve ser capaz de ser devolvido ao estado em que foi anterior à intervenção do conservador . Embora esse conceito continue sendo um princípio orientador da profissão, ele tem sido amplamente criticado na profissão de conservação e agora é considerado por muitos como "um conceito difuso". Outro princípio importante de conservação é que todas as alterações devem estar bem documentadas e devem ser claramente distinguíveis do objeto original.

Um exemplo de um esforço de conservação de intervenção altamente divulgado seria o trabalho de conservação realizado na Capela Sistina.

Example of an archaeological discovery and restoration of a mural painting
Primeira busca arqueológica na camada do século XIX pelo arqueólogo e restaurador francês Yves Morvan
Pintura do século XV limpa antes da restauração
Pintura após restauração
Example of the restoration of an oil painting
Baco, a pintura originária da oficina de Leonardo da Vinci, vista aqui antes da restauração.
Baco após a restauração com as cores mais próximas do original e os detalhes melhor visíveis novamente.

Conservação sustentável

Entender que as práticas de conservação não devem prejudicar o patrimônio cultural, assim como as pessoas e o meio ambiente, levaram os conservadores a considerar, discutir e explorar seus métodos e alternativas, através de projetos de pesquisa, grupos de trabalho e iniciativas de associações e/ou organizações, entre outros. A discussão sobre práticas sustentáveis ​​de conservação se aplica tanto ao trabalho institucional (como museus ou centros de pesquisa) quanto ao trabalho de negócios (como estúdios particulares).

Há uma ampla gama de práticas de conservação sustentável que promovem uma execução mais sustentável do local de trabalho de qualquer tipo. Isso inclui optar por alternativas de energia verde; redução de energia e consumo de água; envolver -se em uma abordagem responsável à aquisição e transporte de produtos, materiais e objetos; reutilizar e reciclar materiais sempre que possível; condução de descarte de resíduos adequado; Regulação dos níveis de controle climático de acordo com as coleções e o clima sazonal local; e incentivar o pessoal a seguir práticas sustentáveis. Os tratamentos de conservação também podem seguir práticas mais sustentáveis, minimizando o uso de produtos cuja produção e uso são perigosos para o meio ambiente e sempre que possível, substituindo -os por alternativas verdes (que podem incluir solventes verdes, emulsões, nanomateriais, etc.).

Práticas de conservação e sustentabilidade

De acordo com as demandas atuais, a fim de preservar nosso ambiente com práticas sustentáveis, devemos nos esforçar para estabelecer protocolos de gerenciamento e práticas de conservação a partir de uma perspectiva de sustentabilidade. Em nosso trabalho diário, uma série de ações pode ser implementada. Entre eles:

Prioritize the use of biodegradable products in conservation interventions whenever is possible;Support research and make use, whenever possible, of products and solvents, aimed at green chemistry, among them, aqueous systems (semi-rigid gels), nanogels, adjusted water systems, among others.Advocate and contribute to the development of research into new techniques and materials that may have use, performance and disposal with less environmental impact;In laboratories, prepare small amounts of material to avoid disposal; never discard material down the sink;Implement strict disposal protocol for chemical products, recyclable materials and compostable materials;Wear nitrile gloves only when strictly necessary; choose the most resistant ones; replace them, when possible, with ones that can be washed and reused;Do not purchase excess materials with reduced expiration dates and thus avoid waste and disposal;Reuse of materials in the laboratory giving them other uses, such as blotting paper, non woven, polyester film, among others;Give preference to the use of silicone paper instead of polyester films whenever possibleInstall deionized and distilled water filters in laboratories to avoid purchasing bottled products in order to avoid disposal;Give preference to locally produced products whenever possible, strengthening the local economy and reducing carbon footprint;

Conservação preventiva e sustentabilidade

Mais do que respeitar o princípio da sustentabilidade, hoje em dia isso deve fazer parte dos protocolos de gerenciamento de conservação preventivos, seja em salas de exposição, museus, salas de armazenamento e outras atividades, como transporte e embalagem de objetos e obras de arte;

Use a LED lighting system, use sensors for lighting, reducing the luminosity of exhibition spaces when there is no visitor present in the room;Encourage the implementation of green energy capture systems, such as the use of photovoltaic plates, wind energy systems, heat pumps, among others, in museums, galleries, technical reserves, libraries, archives;Improve the insulation of the building to keep the indoor climate stable and use less energy on the HVAC systems; the roof and windows can be a big factor;Microclimates for specific objects or materials groups may be more sustainable than controlling the environmental conditions of the whole collection;Reuse packaging materials, and encourage the design of standard packaging by types of objects;Use durable materials for packing that may be washed and re-used such as Tyvek or Mylar;Keep track of materials to avoid over buying and eventually waste.

Visual country by country

Estados Unidos

A Heritage Preservation, em parceria com o Institute of Museum and Library Services, uma agência federal dos EUA, produziu o Heritage Health Index. Os resultados deste trabalho foram o relatório uma confiança pública em risco: o relatório do índice de saúde do patrimônio sobre as coleções do Estado da América, publicado em dezembro de 2005 e concluiu que é necessária uma ação imediata para impedir a perda de 190 milhões de artefatos que estão em necessidade de tratamento de conservação. O relatório fez quatro recomendações:

Institutions must give priority to providing safe conditions for the collections they hold in trust.Every collecting institution must develop an emergency plan to protect its collections and train staff to carry it out.Every institution must assign responsibility for caring for collections to members of its staff.Individuals at all levels of government and in the private sector must assume responsibility for providing the support that will allow these collections to survive.

Reino Unido

Conservação em andamento Nota, Victoria e Albert Museum (2014)

Em outubro de 2006, o Departamento de Cultura, Mídia e Esporte, um departamento governamental, escreveu um documento: "Entendendo o futuro: prioridades para os museus da Inglaterra". Este documento foi baseado em vários anos de consulta com o objetivo de estabelecer as prioridades do governo para os museus no século XXI.

O documento listou o seguinte como prioridades para a próxima década:

Museums will fulfil their potential as learning resources (pp 7–10).Museums will be embedded into the delivery of education in every school in the country.Understanding of the effectiveness of museum education will be improved further and best practice built into education programmes.The value of museums' collections as a research resource will be well understood and better links built between the academic community and museums.Museums will embrace their role in fostering, exploring, celebrating and questioning the identities of diverse communities (pp 11–14).The sector needs to work with partners in academia and beyond to create an intellectual framework supporting museums' capacity to tackle issues of identity.The museum sector must continue to develop improved practical techniques for engaging communities of all sorts.Museums' collections will be more dynamic and better used (pp 15–18).Government and the sector will find new ways to encourage museums to collect actively and strategically, especially the record of contemporary society.The sector will develop new collaborative approaches to sharing and developing collections and related expertise.Museums' workforce will be dynamic, highly skilled and representative (pp 17–22).Museums' governing bodies and workforce will be representative of the communities they serve.Find more varied ways for a broader range of skills to come into museums.Improve continuing professional development.Museums will work more closely with each other and partners outside the sector (pp 23–26).A consistent evidence base of the contribution of all kinds of museums to the full range of public service agendas will be developed.There will be deeper and longer lasting partnerships between the national museums and a broader range of regional partners.Museums' international roles will be strengthened to improve museum programmes in this country and Britain's image, reputation and relationships abroad.

A resposta da profissão de conservação a este relatório foi, no geral, menos que favorável, o Instituto de Conservação (ICON) publicou sua resposta sob o título "Um fracasso da visão". Tinha o seguinte a dizer:

Nenhum setor pode olhar com confiança para o futuro se seu principal ativo for trabalhado cada vez mais em uma gama de objetivos cada vez maior, enquanto as entradas necessárias para sustentá -lo são negligenciadas.

É uma grande preocupação para nós que a única parte desta seção que faz qualquer reconhecimento da necessidade de maior recurso é a parte que se refere a aquisições. O documento de consulta original fez referência bastante extensa à importância das coleções, ao papel das novas tecnologias e questões de propriedade cultural, mas isso parece ter sido retirado no presente documento.

Concluindo:

Quando perguntado pelo Comitê CMS da mídia e da mídia do Sport Commons, o que ele gostaria de ver como uma prioridade no documento do DCMS decorrente da consulta 'Compreendendo o Futuro', MacGregor respondeu 'Eu gostaria de ver acrescentar a necessidade de conservar e pesquisar as coleções, para que as coleções possam realmente desempenhar o papel em todo o Reino Unido que deveriam.

Além disso, o relatório de resumo do site do ICON lista as seguintes recomendações específicas:

A national survey to find out what the public want from museums, what motivates them to visit them and what makes for a rewarding visit.A review of survey results and prioritisation of the various intrinsic, instrumental and institutional values to provide a clear basis for a 10-year strategyHR consultants to be brought in from the commercial sector to review recruitment, career development and working practices in the national and regional museums.A commitment to examine the potential for using Museum Accreditation as a more effective driver for improving recruitment, diversity, and career development across the sector.DCMS to take full account of the eventual findings of the current Commons Select Committee enquiry into Care of Collections in the final version of this documentThe adoption of those recommendations of the recent House of Lords inquiry into Science and Heritage which might affect the future of museums.

Em novembro de 2008, as demonstrações de think tank do Reino Unido publicaram um influente panfleto intitulado É um mundo material: cuidar do domínio público, no qual eles defendem a integração do público diretamente nos esforços para conservar a cultura material, particularmente o que está em público , o argumento deles, como afirmado na página 16, demonstra sua crença de que a sociedade pode se beneficiar da conservação como paradigma e também de uma profissão:

Os conservadores fornecem um paradigma não apenas para consertar as coisas quando estão quebradas, mas para um ethos social mais amplo de atendimento, onde assumimos a responsabilidade e a responsabilidade individual e coletivamente.

Treinamento

Artigo principal: treinamento de conservação e restauração
Veja também: Associação de Programas de Pós -Graduação da América do Norte na Conservação de Propriedade Cultural

O treinamento em conservação do patrimônio cultural por muitos anos assumiu a forma de um aprendizado, pelo qual um aprendiz lentamente desenvolveu as habilidades necessárias para realizar seu trabalho. Para algumas especializações na conservação, esse ainda é o caso. No entanto, hoje é mais comum no campo da conservação que o treinamento necessário para se tornar um conservador praticante vem de um curso universitário reconhecido em conservação do patrimônio cultural.

A Universidade raramente pode fornecer todo o treinamento necessário em experiência em primeira mão que um aprendizado pode e, portanto, além de treinamento de nível de pós -graduação, a profissão também tende a incentivar os estudantes de conservação a gastar tempo como estagiário.

A conservação do patrimônio cultural é um campo interdisciplinar, pois os conservadores têm origens nas artes plásticas, ciências (incluindo química, biologia e ciência dos materiais) e disciplinas intimamente relacionadas, como história da arte, arqueologia e antropologia. Eles também têm design, fabricação, artística e outras habilidades especiais necessárias para a aplicação prática desse conhecimento.

Dentro das várias escolas que ensinam a conservação do patrimônio cultural, a abordagem difere de acordo com o sistema educacional e vocacional dentro do país e o foco da própria escola. Isso é reconhecido pelo Instituto Americano de Conservação, que aconselha "os requisitos específicos de admissão diferem e os candidatos em potencial são incentivados a entrar em contato diretamente com os programas para obter detalhes sobre pré -requisitos, procedimentos de aplicação e currículo do programa".

Na França, o treinamento para a conservação do patrimônio é ensinado por quatro escolas: École supérieure d'Art d'Avignon [fr], L'Ecole Supérrieure des Beaux-Arts Tours, Angers, Le Mans, L'univerté Paris 1 Panthéon-Sorbonne, Instituto nacional du patimoine.

Associações e organizações profissionais

Artigo principal: Associações de conservação e organizações profissionais

As sociedades dedicadas aos cuidados do patrimônio cultural existem em todo o mundo há muitos anos. Um exemplo inicial é a fundação em 1877 da Sociedade para a Proteção de Edifícios Antigos na Grã -Bretanha para proteger a herança construída, essa sociedade continua a ser ativa hoje. O 14º Dalai Lama e o povo tibetano trabalham para preservar sua herança cultural com organizações, incluindo o Instituto Tibetano de Artes Cênicas e uma rede internacional de oito casas do Tibete.

A herança construída estava na vanguarda do crescimento de organizações baseadas em membros nos Estados Unidos. A preservação da Virgínia, fundada em Richmond em 1889 como Associação para a Preservação das Antiguidades da Virgínia, foi o primeiro grupo de preservação histórica em todo o estado dos Estados.

Hoje, os conservadores profissionais se juntam e participam das atividades de inúmeras associações de conservação e organizações profissionais com o campo mais amplo e dentro de sua área de especialização.

Essas organizações existem para "apoiar os profissionais de conservação que preservam nossa herança cultural".

Isso envolve manter os padrões profissionais, promover pesquisas e publicações, oferecer oportunidades educacionais e promover a troca de conhecimento entre conservadores culturais, profissionais aliados e o público.

Documentos internacionais de propriedade cultural

YearDocumentSponsorText (English where available)1931Athens CharterInternational Congress of Architects and Technicians of Historic Monumentstext1931Carta Di AteneConferenza Internazionale di Atenetext (Italian)1932Carta Italiana del restauroConsiglio Superiore Per Le Antichità e Belle Artitext (Italian)1933Charter of AthensIV CIAMtext1956New Delhi RecommendationIX UNESCOtext, text1962Paris RecommendationXII UNESCOtext1964Venice CharterII International Congress of Architects and Technicians of Historic Monumentstext, text1964Paris RecommendationXIII UNESCOtext1967Norms of QuitoOAStext (Spanish), text1968Paris RecommendationXV UNESCOtext1972Paris ConventionXVII UNESCOtext1972Paris RecommendationXVII UNESCOtext1972Carta Italiana del Restaurotext (Italian)1972Stockholm DeclarationUNEPtext1974Santo Domingo Resolution, Dominican RepublicInteramerican Seminar on the Conservation and Restoration of the Architectural Heritage of the Colonial and Republican Periods – OAStext (Portuguese), text[permanent dead link] (Portuguese)1975Declaration of AmsterdamCongress on the European Architectural Heritagetext1975European Charter of the Architectural HeritageCouncil of Europetext1976Charter on Cultural Tourism, BrusselsInternational Seminar on Contemporary Tourism and Humanismtext1976Nairobi RecommendationXIX UNESCOtext1977Machu Picchu Chartertext (Portuguese), text[permanent dead link] (Portuguese), text (Spanish), ref (Spanish)1981Burra CharterICOMOStext1982Florence CharterICOMOS: Historic Gardenstext, text1982Nairobi DeclarationUNEPtext Archived 2009-02-18 at the Wayback Machine1982Tlaxcala DeclarationICOMOStext1982México DeclarationWorld Conference on Cultural Policies – MONDIACULTtext, text1983Declaration of RomeICOMOStext1987Carta della conservazione e del restauro degli oggetti d'arte e di culturatext (Italian)1987Washington CharterICOMOStext, text1989Paris RecommendationXXV UNESCOtext1990Lausanne CharterICOMOS / ICAHMtext, text1994Nara DocumentUNESCO / ICCROM / ICOMOStext, text1995European RecommendationCouncil of Europe, Committee of Ministerstext (Rec(95)3E),

Texto (Rec (95) 9E)

1996Declaration of San AntonioICOMOStext1997Declaration of SofiaXI ICOMOS or XXIX UNESCOtext1997Carta de Mar del PlataMercosurtext[permanent dead link] (Portuguese), text[permanent dead link] (Portuguese), text (Spanish), text[permanent dead link] (Spanish)2000Cracow Chartertext (Italian)2002Declaration of Cartagena de Indias, ColômbiaConselho Andino, OAStext2003Paris RecommendationXXXII UNESCOtext

Veja também

Society portal
Conservation and restoration of rail vehiclesThe Georgian GroupWikipedia:WikiProject Collections CareInternational Day For Monuments and Sites

Leitura adicional

Sullivan, Ann Marie (1 January 2016). "Cultural Heritage & New Media: A Future for the Past". The John Marshall Review of Intellectual Property Law. 15 (3). ISSN 1930-8140.Charola, A. Elena; Koestler, Robert J., eds. (11 September 2019). Pesticide Mitigation in Museum Collections: Science in Conservation (Proceedings from the MCI Workshop Series). Washington, D.C.: Smithsonian Contributions to Museum Conservation. Copies of this volume are available for free pdf download from the Smithsonian's digital library by clicking on the included link.Koestler, Robert J.; Koestler, Victoria H.; Charola, A. Elena; Nieto-Fernandez, Fernando E., eds. (2003). Art, biology, and conservation: biodeterioration of works of art. New York: The Metropolitan Museum of Art. ISBN 978-1588391070.Pergoli Campanelli, Alessandro, ed. (2015). La nascita del restauro : dall'antichità all'alto Medioevo (Primaizione italiana ed.). Milano: Jaca book. ISBN 9788816412996.Sandis, Constantine, ed. (2014). Cultural heritage ethics : between theory and practice. Cambridge, UK: Open Book Publishers. ISBN 978-1-78374-067-3.Staniforth, Sarah, ed. (2013). Historical perspectives on preventive conservation. Los Angeles: Getty Conservation Institute. ISBN 978-1-60606-142-8.Szczepanowska, H. M.; Jha, D.; Mathia, Th G. (25 February 2015). "Morphology and characterization of Dematiaceous fungi on a cellulose paper substrate using synchrotron X-ray microtomography, scanning electron microscopy and confocal laser scanning microscopy in the context of cultural heritage". Journal of Analytical Atomic Spectrometry. 30 (3): 651–657. doi:10.1039/C4JA00337C. ISSN 1364-5544. Retrieved 9 May 2022.