World-information.org

Content

Projetos

Cidade de informações mundiais/ Bangalore 2005
Exposição de Informação Mundial Bruxelas/Belgrado/Viena/Amsterdã 2000-2003
Exposição de Informação Mundial Bruxelas/Belgrado/Viena/Amsterdã 2000-2003
Conferência 'Futuros Digital Compartilhados'
Conferência 'nuvens digitais e espaços urbanos'
Conferência/projeto 'Regimes algorítmicos'
Projeto 'pintado por números'

Os principais projetos do Wii incluem:

World -information.org Série de projetos - lançada em Bruxelas 2000

O World-Information.org foi lançado como o principal projeto de mídia da Capital Europeia da Cultura 2000 em Bruxelas. As dimensões sociais, culturais e políticas das novas tecnologias de informação e comunicação foram discutidas. A exposição de informações mundiais apresentou objetos e resultados de pesquisas sobre tópicos como a história das tecnologias modernas de comunicação, os "grandes players" na indústria de TI, redes financeiras ou direitos humanos. O programa foi concluído pela conferência "World-Infocon". A maioria dos recursos está disponível na página do mundo. A primeira apresentação foi seguida por uma série de conferências e exposições em Viena (Technisches Museum Wien, 2000), Amsterdã (Oude Kerk e De Balie Center for Culture and Politics, 2002), Novi Sad / Belgrado (Museu de Vojvodina, Museu de Contemporâneo Art, Belgrado, 2003), Bangalore (2005) e Paris (como parte do festival "Futur En Seine", 2009).

Pesquisa profunda (i) - Viena 2008

A conferência de "busca profunda" lidou criticamente com "as dimensões sociais e políticas de como navegamos nos mares profundos do conhecimento". Analisando criticamente uma situação em que o Google assume uma posição semelhante ao monopólio no campo da pesquisa em muitos países ao redor do mundo, a conferência fez perguntas como: „Como é produzido o significado legível por computador, como o significado está envolvido na comunicação da máquina? Onde está o potencial emancipatório de ter acesso a vastas quantidades de informação? Quais são os perigos de nossa confiança nos mecanismos de pesquisa? E existem abordagens que não seguem o paradigma atualmente dominante do Google? “

Estratégias críticas em arte e mídia - Nova York 2009

Esta conferência sobre o futuro da liberdade cultural e inteligência cultural na teoria e prática digital ocorreu no Fórum Cultural Austríaco em Nova York. Seguiu as tentativas de ir além dos modelos obsoletos do artista/autor como gênio e procuraram práticas coletivas e colaborativas que pudessem inventar novos terrenos e fluxos. Novos tipos de espaços "virtuais" e seu papel nas práticas culturais críticas foram discutidas. A conferência também teve como objetivo desenvolver estratégias que pudessem iludir ser instrumentalizada pelas indústrias criativas em seu "apetite aparentemente infinito por coisas radicais".

Pesquisa profunda (ii) - Viena 2010

O debate sobre as políticas de pesquisa continuou 2010 com a conferência "Pesquisa Deep II": "A classificação automática de dados, sua indexação e sua avaliação estão no coração de novos ambientes de comunicação. O que está abaixo não é apenas um desejo de organizar as informações do mundo, mas também para classificar as relações humanas: desde o gerenciamento do local de trabalho e dos consumidores modernos nas sociedades de massa, até o gerenciamento biopolítico da Sociedade de Rede ".

Futuros digitais compartilhados - Viena 2013

A conferência "Futures Digital Compartilhada" tratou do impacto das tecnologias de rede digital na produção de cultura e examinou sobre o novo papel da obra de arte do mesmo produto final e matéria -prima para maior produção de cultura, modelos para financiamento sustentável de comuns, Novas formas de autoria coletiva e as oportunidades abertas pelo embaçamento de fronteiras entre artistas e público.

Informação como realidade - Linz, 2014

A conferência e a exposição "Informações como realidade" em cooperação com a revista Springerin e com a ARS Electronica no Lento Art Museum em Linz lidou com práticas culturais críticas em redes digitais e a crescente mudança de realidade social por modelos digitais e regimes de informação virtual. Os trabalhadores culturais desempenharam um importante papel pioneiro na colonização dos mundos digitais. Que papel eles podem assumir agora, 20 anos após o surgimento da Internet?

Nuvens digitais e espaços urbanos - Viena 2014

A conferência "nuvens digitais e espaços urbanos" em Architekturzentrum Wien se concentrou nas cidades inteligentes e na cidade como um sistema de informação em que a urbanidade é cada vez mais moldada por redes de tecnologias informacionais. A conferência levou em conta o fato de que isso não se aplica apenas aos fenômenos como sistemas de controle de tráfego ou modelos de planejamento, mas que o mundo do trabalho, espaços sociais e processos culturais também estão sujeitos a transformações substanciais relacionadas a esses desenvolvimentos. Antes desse cenário, a conferência questionou as promessas simplistas feitas pelas empresas globais e suas tecnologias para tornar as cidades mais eficientes, mais seguras e limpas.

Prática líquida crítica - Viena 2015

Em uma cooperação com a revista Springerin World-Information Institute, revisitou 20 anos de cultura líquida. Os textos resultantes formaram a parte principal da edição xxi/1 (inverno de 2015) da revista. Apresentação de edições (Mak - Museu de Artes Aplicadas, Viena): Prática Níqueira Crítica: Informações como realidade? Jumper / Banda XXI, No. 1, inverno de 2015.

Regimes algorítmicos - Viena 2015/2016

A série internacional de conferências e eventos "regimes algorítmicos" examinou a crescente influência dos sistemas de controle digital e seus efeitos em cascata de efeitos poderosos nas realidades culturais e sociais. Além da conferência, o evento „algoritmos não são anjos" com Matthew Fuller Und Graham Harwood, um videointerview com Stefano Harney e uma noite audiovisual sobre o poder dos algoritmos, que apresentava um remix anotado de clipes e documentários, documentários, documentários, relacionados a sistemas de controle automatizados.

Wahlkabine.at

Wahlkabine.at foi fundado em 2002 pelo Institute for New Culture Technologies/T0 e foi apresentado pela primeira vez durante as eleições do Conselho Nacional no mesmo ano. A Polling-Booth on-line se vê como um instrumento de educação política, que incentiva os usuários a lidar com o conteúdo político de uma maneira lúdica e oferece informações factuais e oportunidades de feedback.

Dado o fato de que o aumento da personalização atualmente substitui cada vez mais o conteúdo político, Wahlkabine. comportamento.

Wahlkabine.at se concentra nas eleições nos níveis nacional e regional austríaco e no nível da UE (parlamento europeu), mas também inclui eleições da União Nacional de Estudantes Austríacos e alguns casos individuais (por exemplo, informações sobre câmaras econômicas / setor austríaco e consultoria de 2010). No contexto das eleições regionais em Viena, no outono de 2015 (com um eleitorado de aproximadamente 1,14 milhão de eleitores elegíveis), 160.000 usuários visitaram a cabine de votação on -line.

Future Non Stop

Future non Stop - iniciado como um projeto em 2010, online desde 2012 - é um extenso arquivo e um experimento em lógicas de navegar informações: “Com base em um extenso arquivo que remonta a 1994, o site coleta materiais que servem como documentos de referência importantes no Campo de novas mídias, política e arte e os torna acessíveis a um público mais amplo. Em vez de um arquivo hierarquicamente estruturado, uma interface de navegação experimental abre novas maneiras de explorar grandes nós de informação. Os documentos estão associados a uma variedade de tags que permitem filtrar a relevância de acordo com tópicos e emitir relações. ASCR, abreviação de repositório de conteúdo semântico avançado, é a arquitetura de informações de código aberto e "editando back -end" do futuro não parado ".

Iniciativas / suborganizações e seus projetos

Instituto de novas tecnologias de cultura/T0

Salvar a ecologia digital/ Viena 2000

O Institute for New Culture Technologies/T0 foi estabelecido em 1993 como uma plataforma de competência internacional relacionada a artes e cultura para o uso crítico de tecnologias de informação e comunicação. Ao longo dos anos, seguiu uma ampla gama de atividades transdisciplinares. Desde a produção e a hospedagem de infraestrutura até a organização de conferências, festivais e exposições, intervenções locais e transferência de habilidades, além de pesquisas e publicações internacionais. Konrad Becker e Francisco de Sousa Webber, que fundaram o Instituto, atualmente formam o Conselho de Administração junto com Felix Stalder.

História

RE GRATUITO: Public Soundpolitisierung/ Viena 2002, Informação Mundial/ Belgrado 2003, Informação Mundial/ Brussels 2000, Bitflows Free Bits/ Vienna 2004, Informações Terror/ Vienna 1996, Nikeplatz/ Vienna 2003, Save The Digital Ecology/ Norway 2001
Public NetBase Basecamp I/ II/ III 2001-2002, System-77 Civil-Reconnissance/ Vienna 2004, Nikeplatz/ Viena 2003, Free Media Camp/ Vienna 2003

Quando os fundadores do Institute for New Culture Technologies/T0 configuram um servidor da Web (em um ato de 'uso indevido' não oficialmente tolerado do servidor da Internet subempregado do Hospital Geral de Viena AKH) em 1993, eles criaram uma das primeiras artes e cultura -Sites relacionados na World Wide Web emergentes.

O Instituto foi conceituado como uma plataforma a partir da qual iniciativas e organizações independentes poderiam surgir. A primeira dessas iniciativas foi o Public NetBase - agora um "exemplo histórico" de uma nova organização de mídia na Europa. Fundada em 1994, estava localizado em Messepsh, o antecessor do Museumsquartier de Viena. Combinou várias funções e atividades: era um provedor de serviços de Internet sem fins lucrativos que facilitou o acesso à Internet principalmente para o setor de artes e cultura independente. Isso foi acompanhado por um programa de workshops e cursos para desenvolver competência na mídia. O NetBase Public se tornou um espaço social para essa cena emergente de artistas, techheads, ativistas etc., e publicou um programa quase diário de discussões, apresentações, exibições e eventos musicais. Além dessas atividades de base, foram realizadas exposições e conferências internacionais. O Public NetBase costumava ser a principal iniciativa do T0 até que ela tenha que ser descontinuada devido à falta de financiamento (o que foi resultado de repressão pelo governo de direita austríaco em 2006.

Mas já em 1999 a próxima iniciativa foi fundada: World-Information.org (WIO). Foi apresentado-sob o patrocínio da UNESCO-como o projeto principal do programa da New-Media da Capital da Cultura Europeia de Bruxelas 2000. O WIO se assemelha a uma agência de inteligência, que coleta e analisa informações, mas não no interesse de um estado ou como um think tank para empresas corporativas, mas para o setor cultural independente. A partir do Projeto Bruxelas, uma série de exposições e conferências internacionais foi desenvolvida. Além de realizar pesquisas, continua o programa de conferências internacionais e as atividades para desenvolver ainda mais as políticas de cultura e mídia. Além disso, em nível nacional austríaco, Wahlkabine.T foi fundado em 2002 e tornou -se mais proeminente “cabine de votação” on -line da Áustria.

Desde 2010, o Institute for New Culture Technologies/T0 desenvolveu o Future Non Stop Future, no qual todas as suas atividades estão documentadas, o que o torna um recurso valioso que abrange vinte anos de atividades em novas mídias, cultura líquida e uso participativo e análises críticas de novas tecnologias, redes digitais e a World Wide Web.

Em todas essas atividades, o T0 colaborou de perto com grupos e organizações como Ensemble de Arte Crítica, RTMark, The Yes Men, De Balie, Kuda.org, De Waag, Adbusters, Instituto de Autonomia Aplicada, Sarai (Media Lab), Bundeszentrale Für Politische Bildung, Instituto V2 para a Mídia Instável, 0100101110101101.org e Nettime.artistas e pesquisadores que estiveram envolvidos no programa de T0, incluem Saskia Sassen, Bruno Latour, Peter Lamborn Wilson / Hakim Bey, Franco Bifo Bafardi, Chantal -Mouffe, , Marko Peljhan, Ben Bagdikian, Marina Gržinić, Arundhati Roy, Manuel de Landa, Michel Bauwens, R. Trebor Scholz, Monica Narula (Raqs Media Collective), Monika Mokre, Femke Snelten e muitos outros.

Public NetBase

Netbase, mídia ~ espaço

O Public NetBase foi iniciado pelo Institute for New Culture Technologies/T0 no Viena Museumsquartier em 1994 como provedor de Internet sem fins lucrativos e uma plataforma para o uso participativo da tecnologia de informação e comunicação. Com seu servidor WWW, bem como com seus workshops, cursos de instruções e eventos educacionais para o público amplo, a Base Pública contribuía continuamente para a evolução de uma animada cena da Internet e uma consciência aumentada para as implicações das novas tecnologias de comunicação e informação.

Como ponto focal das redes de arte, cultura e mídia européias e internacionais, o Instituto de Cultura Níqua Vienense tentou desenvolver um entendimento para as múltiplas oportunidades e o potencial de novas mídias de comunicação, mas também para olhar criticamente para uma sociedade que é cada vez mais determinada por tecnologia.

Além da série de workshops e discussões, as atividades do NetBase Public incluídas, entre outros, projetos que combinam exposições, conferências e workshops (por exemplo, Synworld Playwork: Hyperspace (1999) e Free Bitflows (2004)), projetos no espaço público (Nikeground (2003) e Basecamp (2001/2002)) e atividades que fortaleceram a auto-organização de iniciativas de mídia independentes e exigiram desenvolvimento adicional de políticas culturais e de mídia (na Áustria, mas também em nível europeu, por exemplo, Espanha Cultural Europeia (1999-2003) ). A Base Public Net era muito ativa nos movimentos de resistência contra o governo de direita austríaco, que chegou ao poder de 2000 e incluiu o Partido da Liberdade de Jörg Haider (FPö). Uma fita própria de atividades derivadas disso (por exemplo, governo-austria.at (2000/2001)) e os elementos do ativismo político tornaram-se mais fortes em todas as vertentes das atividades.

Para uma lista mais extensa de projetos cf. O artigo sobre NetBase Public.

Publicações

Clemens Apprich, "Upload dissident culture: Public Netbase's interventions into digital and urban space", in: Interface: a journal for and about social movements, Vol. 2(2), November 2010, pp. 79–91, online: http://www.interfacejournal.net/wordpress/wp-content/uploads/2010/12/Interface-2-2-pp.79-91-Apprich.pdf, retrieved: 17 September 2013Clemens Apprich / Felix Stalder (Hrsg.): Vergessene Zukunft. Radikale Netzkulturen in Europa. transcript, Bielefeld 2012, ISBN 978-3-8376-1906-5.Inke Arns: Netzkulturen, Hamburg (eva), 2002, p. 93, ISBN 3-434-46107-8Konrad Becker, Dictionary of Operations. Deep Politics & Cultural Intelligence, New York: Autonomedia 2012, ISBN 9781570272615Konrad Becker (Red.): Die Politik der Infosphäre. World-Information.Org, Bonn: Bundeszentrale für politische Bildung 2002, ISBN 978-3-89331-464-5, online: http://www.bpb.de/shop/buecher/schriftenreihe/36071/die-politik-der-infosphaereKonrad Becker / Jim Fleming (Eds.): Critical Strategies in Art and Media, New York: Autonomedia 2010, ISBN 978-1-57027-214-1Konrad Becker / Felix Stalder (Eds.): Deep Search. The Politics of Search beyond Google, Innsbruck, Vienna, Bozen: Studienverlag, and Piscataway, NJ: Transaction Publishers 2009, ISBN 978-3-7065-4795-6Konrad Becker: "Zwang und Verführung in der Kontrollgesellschaft - Selbstvermessung und Wunscherfüllung im digitalen Datenraum", in: Medienimpulse 4/2014 (online: http://www.medienimpulse.at/articles/view/738, retrieved: 19 December 2016)Beatrice Beckmann, "Das Medium als bleibende Botschaft. Das Wiener Institut für Neue Kulturtechnologien, Public Netbase, streitet für die Historisierung digitaler Gegenwart", in: Die Welt, 17 February 2000 (online: https://www.welt.de/print-welt/article502869/Das-Medium-als-bleibende-Botschaft.html, retrieved: 16 September 2013)Branka Ćurčić / Zoran Pantelić / New Media Center_kuda.org (Ed.): Public Netbase: Non Stop Future - New Practices in Art and Media, Frankfurt a. M. (Revolver), 2008, ISBN 978-3-86588-455-8 (Hardcover)Robert Harauer / MEDIACULT (ed.): Digital Culture in Europe. A selective inventory of centres of innovation in the arts and new technologies, Strasbourg (Council of Europe), 1999, ISBN 92-871-3873-7 (in Google books)Kritische Netzpraxis (Critical Net Practice). springerin. Hefte für Gegenwartskunst, XXI/1 (winter 2015), (in German; a few texts are available in English online: http://www.springerin.at/dyn/heft.php?id=87&pos=0&textid=0&lang=en, retrieved 22 September 2016)Christine Mayer and Martin Wassermair, "wahlkabine.at: Promoting an Enlightened Understanding of Politics", in: Lorella Cedroni and Diego Garzia (eds.): Voting Advice Applications in Europe: The State of the Art, Scriptaweb (2010), https://www.academia.edu/281395/Voting_Advice_Applications_in_Europe_The_State_of_the_Art, retrieved: 16 September 2013Werner Reiter, "Die Zukunft war schon mal spannender", The Gap, 22 May 2012, http://www.thegap.at/buchstories/artikel/die-zukunft-war-schon-mal-spannender/ (in German), retrieved: 16 September 2013Felix Stalder, Martin Wassermair, Konrad Becker: “Kulturelle Produktion und Mediennutzung im Alltag. Urheberrechtliche Problemfelder und politische Lösungsperspektiven”, Studie im Auftrag der Kammer für Arbeiter und Angestellte für Wien, Wien: AK 2013, http://media.arbeiterkammer.at/wien/PDF/studien/Kulturelle_Produktion_und_Mediennutzung.pdf, retrieved: 16 September 2013 (An interview with co-author Felix Stalder about this study is available in English: “Copyright: ‘Media use in the gray zone’“, futurezone.at, 29 March 2013, http://futurezone.at/english/copyright-media-use-in-the-gray-zone/24.593.691, retrieved: 16 September 2013.)Felix Stalder, Digital Solidarity, Mute / PML Books 2013, ISBN 978-1-906496-92-0 (print), 978-1-906496-93-7 (eBook), online: http://www.metamute.org/sites/www.metamute.org/files/u1/Digital-Solidarity-Felix-Stalder-9781906496920-web-fullbook.pdf (retrieved: 8 October 2016)Wolfgang Sützl: “World-Information City. Die indische IT-Metropole Bangalore ist Schauplatz eines World-Information.Org-Projekts“, in: kulturrisse 01/2005, online: http://kulturrisse.at/ausgaben/012005/kosmopolitiken/world-information-city.-die-indische-it-metropole-bangalore-ist-schauplatz-eines-world-information.org-projektsWolfgang Sützl & Geoff Cox (eds.), Creating Insecurity. Art and Culture in the Age of Security, DATA browser 04, New York: Autonomedia 2009, ISBN 978-1-57027-205-9Vera Tollmann, "Das Paradox der 'sozialen Medien'. Gespräch mit dem Medienwissenschaftler Clemens Apprich über Netzkulturen seit den 1990er- Jahren", in: Springer|in 3/13, pp. 10/11Martin Wassermair: "In Austria, the Clock Ticks with a Different Beat": A Short Story of Public Netbase t0, its International Success and Recent Political Struggles, in: Cultivate Interactive, October 2000, online: http://www.cultivate-int.org/issue2/netbase/, retrieved: 16 September 2013